"O Corvo em quadrinhos", Edgar Allan Poe por Luciano Irrthum

Reencontro

No posfácio que escreveu para esta edição de O Corvo, dando conta dos bastidores da experiência, Luciano Irrthum conta que seu envolvimento com o pássaro de Poe já vem de longe. Antes dessa adaptação realizada a convite da Peirópolis, Irtthum já havia feito duas outras. A primeira, publicada pela Canibal Produções, do então fanzineiro e hoje cineasta catarinense Peter Baiestorf, foi premiada como “Melhor HQ de 1995”, e a segunda, em forma de paródia, divertiu muitos aficionados pela obra do estranho e genial Poe.

Desde então, Irrthum nunca mais deixou de receber o corvo em seus sonhos, alimentando o desejo de realizar uma adaptação integral do poema, dentro de uma proposta mais trabalhada. Leitor de Augusto dos Anjos, Baudelaire, Bukowski, Kafka e de toda a obra de Poe, Irrthum caprichou nos detalhes, enxertando, inclusive, algumas referências de contos do autor.

Esse foi o segundo álbum de Luciano Irrthum. O primeiro foi A comadre do Zé, álbum do selo editorial da Graffiti 76% Quadrinhos, conhecida e longeva revista de HQ belo-horizontina que reúne quadrinistas brasileiros e estrangeiros. Ali, Irrthum apresentou um roteiro de sua autoria, com o mesmo traço ao mesmo tempo elaborado e rude e o humor afiado que ele nos apresenta sobre as situações-limite da existência.

Irrthum é também o ilustrador do livro Meio ambiente: e eu com isso?, da bióloga Nurit Bensusan, contribuindo para que a obra alcance o tom divertido e intenso que a autora lhe imprime.

Confira, abaixo, o texto de orelhas desse novo título da coleção Clássicos em quadrinhos.

Texto de orelhas

Luciano Irrthum ganhou do avô um livro antigo do mestre do terror e do mistério, o americano Edgar Allan Poe (1809-1849). Ao abrir aquele exemplar ensebado encontrou, no meio das páginas amareladas, um recorte de jornal que narra um fato curioso sobre o túmulo do escritor, cujo centenário de nascimento é comemorado em 2009: todos os anos, uma garrafa de conhaque e três rosas são deixadas sobre sua lápide no dia de sua morte. A notícia intrigou para sempre o jovem Irrthum. Depois de ler todos os contos de Poe, que inspirou a alma e a obra dos poetas mais elevados de todos os tempos, ele decidiu adaptar para os quadrinhos o poema mais conhecido do clássico escritor americano, O Corvo (The Raven). Esta é a terceira versão do artista para essa adaptação. Tinha mesmo que realizá-la, pois já na primeira, o fanzine publicado pelo amigo Petter Baiestorf, foi premiado com “A Melhor HQ de 1995”. Aqui está, na íntegra, a versão que o autor reconhece como definitiva: o poema em quadrinhos de Irrthum, escondendo referências às primeiras leituras que fez de contos de Poe, que certamente irão deliciar os leitores que conhecem a obra desse autor mais a fundo. A opção, entre tantas ilustres, pela tradução de Machado de Assis busca promover o encontro de Machado com um de seus escritores favoritos, no ano do bicentenário de Poe, que marca também o centenário de morte do brasileiro.

Add Comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Olá! Preencha os campos abaixo para iniciar a conversa no WhatsApp

PHP Code Snippets Powered By : XYZScripts.com